Release That Witch ~ Cap.05


Capítulo Anterior   |||   Próximo Capítulo

Capítulo 05 – Razões

“2ª Lei da Termodinâmica: O calor nunca pode passar de um corpo de menor temperatura para um corpo de temperatura mais alta sem algumas mudanças humanas; é impossível converter toda a quantidade de calor de uma única fonte em trabalho útil sem causar outros efeitos colaterais; e em uma mudança irreversível ou espontânea de um estado de equilíbrio para um outro, a entropia sempre aumenta.”

Roland cuidadosamente copiou essa lei em um papel, escrevendo na linguagem deste mundo. À primeira vista, as palavras se assemelhavam a minhocas em movimento. Ele realmente não entendia como os moradores desse mundo conseguiam aprender tantos caracteres diferentes e complicados.

Se você perguntasse a ele qual das várias leis físicas faria a maioria das pessoas se sentir deprimida, Roland escolheria a 2ª lei da termodinâmica. Ela mostra a todos que o calor desse mundo sempre vai de alto à baixo, substituindo a desordem pela ordem, aumentando a entropia. Eventualmente, tudo terminará no nada e o universo ficará em silêncio.

E esse mundo tinha acabado com o problema da entropia sempre crescente. Nele, é possível fazer magia surgir do nada, o que era muito mais impressionante do que a invenção teórica da máquina de movimento perpétuo! Poder do demônio? Roland riu e pensou consigo mesmo que as pessoas desse mundo simplesmente não entendiam a verdadeira natureza desse poder, uma natureza tão enorme que poderia mudar o universo inteiro.

Claro, para começar, ele só poderia mudar essa pequena cidade fronteiriça.

Roland, sentindo o prazer de sair de uma jaula, cantarolou uma melodia, rasgou o papel que tinha escrito e jogou-o na lareira, reduzido-o a cinzas.
(Zero: ‘Sentido o prazer de sair de uma jaula’ quer dizer que ele se sentiu quebrando os limites que tinha, ou seja, por ter descoberto magia, ele pôde acabar com essas limitações.)

O Ministro-Assistente olhava com desconfiança para as ações inexplicáveis do 4º Príncipe, mas, felizmente, para Roland, o antigo príncipe sempre agira dessa maneira. No final, Barov decidiu que a estranha banalidade dele passaria sem necessidade de se preocupar com isso, e podia ver que o príncipe estava se divertindo.

“A punição foi concluída, a ‘bruxa’ foi enforcada ao meio-dia.” Relatou Barov.

“Bom trabalho, alguém descobriu?” Falou Roland, enquanto escrevia, “Esquece, não tem como, todos os criminosos condenados têm o rosto coberto.”

Para evitar que a Igreja Sagrada e a Associação de Cooperação Entre Bruxas batessem à sua porta, Roland fez o administrador do calabouço encontrar uma mulher criminosa com corpo semelhante ao de Anna para a substituir na forca. Além do Comandante dos Cavaleiros e do Ministro-Assistente, todos que estavam com ele no calabouço foram silenciados por dinheiro, cerca de 20 ouros reais, o que era uma grande fortuna para eles.

Barov propôs até mesmo matar todas as testemunhas, pois elas não conseguiriam manter o silêncio para sempre, mas Roland rejeitou essa proposta. Ele sabia que não podia impedir esse segredo de se espalhar, mas isso não importa, porque na verdade ele queria que alguém espalhasse isso, só que não agora. Ele iria enfrentar a igreja mais cedo ou mais tarde de qualquer modo, aqueles idiotas que propagavam a intolerância, desperdiçando tantos recursos valiosos(bruxas)! Por outro lado, as outras bruxas ouviriam que havia uma cidade fronteiriça no reino onde poderiam viver livremente, e poderiam até receber tratamento preferencial. O que elas pensariam?

Não importa a Era, talento é a coisa mais importante.

“Então tudo bem.” Disse Roland, “Agora, para as tarifas, impostos e despesas do ano, você já me deu um breve resumo, mas deixe-me dar uma boa olhada. Além disso, encontre todas as oficinas da cidade, os lugares que trabalham com ferro, tecidos, cerâmica e etc… Você também tem que incluir os números e tamanhos de produção.”

“Vou precisar de três dias para preparar esses registros, mas…” Disse Barov conforme primeiro assentiu com a cabeça e, em seguida, parou, parecendo não saber como continuar.

“Qual é o problema?” Perguntou Roland. Ele estava ciente de que, finalmente, chegara o momento em que sua habilidade de atuação estava prestes a ser testada. Ontem, tudo o que ele fez foi questionado pelo Ministro-Assistente por causa de suas dúvidas quanto a Roland, alguém com caráter ruim continuaria assim pro resto da vida, mas ter um mal caráter não significa que também não tinham cérebros. Auxiliar e abrigar uma bruxa, aos olhos do Ministro, era o mesmo que declarar guerra ao mundo todo.

“Sua Alteza, eu não entendo…” Barov pausou enquanto se debatia com suas palavras, “No passado, apesar de você ter causado problemas, eram sempre problemas inofensivos, mas agora… assumindo um risco tão grande apenas para salvar uma bruxa? A lei para caçá-las foi proclamada pela Igreja, e até mesmo seu pai, Vossa Majestade Wimbledon III a suporta.”

Roland pensou por um momento e depois perguntou, “Você acredita que essa cidade fronteiriça é um bom lugar para morar?”

“Uh, isso…” Barov não entendeu o que essa pergunta tinha a ver com o problema, mas mesmo assim, depois de algum tempo, deu sua verdadeira opinião, “Não.”

“Ela é horrível em comparação com Valência, a Cidade de Safras Douradas ou com o Porto de Águas Claras. Quais você acha que são minhas chances de ganhar os direitos ao trono contra meus irmãos?”

“…” O Ministro-Assistente abriu a boca, mas não respondeu.

“Quase zero. Então só posso escolher ir por outro caminho,” Roland continuou inexpressivamente enquanto Barov dava um passo após o outro em direção à armadilha que preparou. “o tipo de caminho que impressionaria até meu pai.”

Ele não reafirmou que as bruxas não eram inerentemente más pois fazê-lo teria pouco sucesso. Barov foi Ministro-Assistente das Finanças por vinte anos e era considerado um político competente. Para os políticos, seus ganhos pessoais eram geralmente mais importantes do que a moral de bem ou mal. Além disso, tomar a rota emocional também não seria adequado, pois conforme Roland relembrou as ações do antigo príncipe, ele descobriu que realmente não poderia ser considerado uma pessoa justa e correta. Por isso, escolheu apostar no conflito eterno entre a autoridade religiosa e secular, já que o poder em expansão da Igreja Sagrada era um constante empecilho para Wimbledon III.

A Igreja afirmava que o mundo funciona de acordo com a vontade de Deus, e o Papa era a voz de Deus. Se as pessoas descobrissem que a Igreja não falava a verdade, que era na verdade só mentiras, o domínio da Igreja Sagrada seria fortemente abalado.

Com a frase ‘A bruxa não é má, então eu quero salvá-la.’ seria difícil convencer o Ministro-Assistente, mas substituindo-a por ‘Ela não é uma bruxa má, e eu posso usar isso para atacar a Igreja.’ Barov poderia facilmente ser persuadido a aceitar tal ação.

“Independentemente de como os territórios de meus irmãos e irmãs floresceram, é uma conclusão inevitável que tudo terminará nas mãos da Igreja. Eles já pisaram no direito divino dos reis. Se apenas o papa pode ser considerado governante legítimo, então os verdadeiros governantes dessa terra são eles ou somos nós?” Roland pausou pela quantidade certa de tempo antes de continuar, “Até mesmo meu pai terá de colocar a sua esperança em mim: um líder que não é reprimido pela Igreja Sagrada, que detém todos os direitos exclusivos de um rei. A escolha dele seria clara.”

Mudando o ‘inimigo do mundo inteiro’ para ‘apenas inimigo da Igreja’ era mais fácil de aceitar para muitas pessoas, ainda mais para Barov, que estava do lado da família real.

“Da mesma forma, se ele estiver ciente das habilidades extraordinárias que elas têm, que elas podem acabar com a dominação da Igreja, as ordens de execução não serão nada mais que uma piada. Embora não haja nenhuma possibilidade de garantir sucesso, também não é impossível. Você acha que apostar em mim vale o risco?” Roland continuou olhando fixamente para o Ministro enquanto dizia tudo isso rapidamente, “Não hesite agora, Barov. Você foi um assistente de ministro por vinte anos, certo? Se eu puder me tornar Wimbledon IV, a palavra assistente será removida, ou até melhor, algo como… se tornar a Mão do Rei é possível, hmm?”

……

Olhando para as costas de Barov enquanto o mesmo saía, Roland sentiu-se aliviado. Era fácil ver que o Ministro-Assistente não pensava muito de sua promessa, isso é normal, já que o próprio Roland não acreditava que esse plano recém-pensado, formado basicamente por arrogância, poderia ser realizado. Mas isso não é importante, a chave era deixar Barov acreditar que ele realmente acreditava nisso. O filho mimado de um nobre só podia pensar em um plano simples, sem mencionar que o 4º Príncipe realmente odiava o jeito da Igreja. Nesse momento, o modo de atrair mais bruxas também foi pavimentado.

Quanto aos seus pensamentos verdadeiros? Mesmo que Barov soubesse deles, ele não seria capaz de compreendê-los.

Roland chamou sua criada e disse, “Chame a Srta. Anna e diga que ela deveria vir me ver.”

Roland alegremente pensou que a próxima negociação seria muito melhor.

Capítulo Anterior   |||   Próximo Capítulo

Um comentário sobre “Release That Witch ~ Cap.05

  1. Pingback: Release That Witch Cap.05~ :o – Aliança Novel

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s