Ze Tian Ji Livro 1 Prólogo


<-Índice||Próximo Capítulo->

Prólogo

O mundo é relativo.

O Continente Central e a Grande Ilha Ocidental são separados um do outro pelo oceano, mas é de longe oposto um ao outro. O leste tem uma alta altitude, por isso parece que o céu também é maior. Há nuvens ascendentes acima do mar para a terra seca, sem parar elas flutuam indefinidamente. No final, elas se reúnem e em todos os anos elas não vão se espalhar.

Este é o túmulo de nuvens, o túmulo de todas as nuvens em todo o mundo.

Nas profundezas mais recônditas do túmulo de nuvens reside uma montanha solitária. O topo leva para o céu infinito; ninguém sabe para onde vai.

Contos dizem que o mundo é composto de cinco continentes. Cada continente tem as suas próprias paisagens diferentes. Apenas aqueles que possuem os tempos de vida de imortais podem ver todas as diferentes paisagens. Para pessoas normais, os contos são contos. Eles não sabem onde estão os outros continentes, não conhecem como chegar até eles, não conhecem a montanha solitária dentro do túmulo de nuvens que leva ao caminho para os outros continentes.

Naturalmente, também não há ninguém que tenha visto o cenário acima das nuvens. Aqui, as nuvens serenas são como sedas brancas se espalhando em todas as direções, aparentemente sem fim. Acima do céu de espelho infinito tem um abismo negro infinito, dentro de um número incontável de estrelas.

De repente, duas estrelas se iluminam, ficando mais e mais brilhante, eles rapidamente chegam ao céu de espelhos. Quando essas duas estrelas chegam diante do espelho, torna-se claro que eles não são estrelas, mas duas bolas de fogo santo.

Nesta superfície de espelho que separa o mundo real do abismo apareceu uma teia de aranha de rachaduras, mas em um momento foi restaurada.

Estas duas bolas de chama, por meio de alguns meios mágicos, apareceram no outro lado da superfície do espelho no mundo real. Na atmosfera fina, as duas chamas queimaram incessantemente, entortando o ar e fazendo com que constantemente mudassem de forma, aquelas não eram bolas de fogo, mas olhos.

O mundo inteiro, por causa desta grande descida, está em alvoroço. Luz está constantemente sendo refletida; na superfície das nuvens apareceu uma sombra longa como uma montanha. O espaço começou a deformar, como se fosse prestes a quebrar.

Um grande dragão dourado emergiu de dentro das nuvens.

O sol distante foi completamente obscurecido por seu enorme corpo. O mundo inteiro acima das nuvens, consequentemente, ficou turvo, todo o ar rapidamente ficando mais frio e gelo começou a se cristalizar nas nuvens. Os incontáveis ​​raios de luz se tornaram brilhos estranhos na superfície de cristal. O Céu e a Terra mudaram de cor; este dragão realmente era uma existência imponente.

O grande dragão dourado olhou para baixo sobre o mundo com seus olhos indiferentes.

A visão acima das nuvens, ele já a tinha visto muitas vezes.

O dragão voou para a montanha solitária no horizonte. Enquanto ele se aproximava, seu corpo terrível de dragão em si afundou no abismo nublado, totalmente desaparecendo de vista. As quantidades infinitas de nevoeiro foram cortadas pelo corpo do terrível dragão. Os rochedos e penhascos da montanha solitária são extremamente vivos, com plantas crescendo lá, nem mesmo musgo. A quietude mortal fez parecer um túmulo.

Assim que o dragão voou através do abismo de nevoeiro. Muitos dias e noites se passaram. Quem sabe o quão longe ele tinha voado, mas nunca havia deixado o nevoeiro. Ele não encontrou outros seres, mas pode-se ver que vagamente sobre os penhascos montanhosos o que parecia ser musgo. O nevoeiro também tinha crescido mais espesso ou talvez a pressão que exalava era a causa. O nevoeiro começou a mudar na forma de muitos cristais. Essas gotas de água também fez o ar mais úmido.

O dragão ignorou estas transformações, continuando a voar para baixo.

A vida vegetal dentro da montanha solitária cresceu gradualmente mais e mais abundante; o ar mais úmido, as gotas de água se agrupando nos penhascos gradualmente se tornando inúmeros córregos, do tamanho de uma fina folha. Estes inúmeros córregos finos de água fluíam abaixo dos penhascos na névoa.

Enquanto o dragão dourado contemplava essas inúmeras correntes de água, o olhar dentro dos seus olhos tornou-se mais concentrado, as duas chamas divinas se tornavam mais serenas, este local foi o túmulo das nuvens, mas também era a fonte de toda a água.

Destes inúmeros córregos que caem da montanha solitária, o dragão escolheu um.

O dragão dourado voou silenciosamente ao longo desta única corrente de água, voando incontáveis ​​dias e noites, quase como se ele iria repetir, até que de repente… O nevoeiro na frente dele se dispersou.

Frente à névoa, era a terra.

A parte inferior das nuvens era plano e liso, calmamente subindo e descendo de acordo com o solo. Perfeitamente guardando o espaço entre as nuvens e a terra era de cinco pés de distância. Coincidentemente esta foi à altura de um homem médio, como se o próprio Criador tinha formado este espaço. Este espaço que era de cinco pés de altura, na superfície parecia continuar indefinidamente, com raios fracos de luz, mas sem sol para ser visto. Na superfície fluíam inúmeras correntes de água.

O nevoeiro dissipou-se sobre o corpo do dragão, revelando um pequeno riacho.

Este pequeno riacho era originado do orvalho úmido da montanha solitária. Limpo, tranquilo e frio, no córrego havia uma bacia de madeira, na bacia várias camadas de pano, sobre o pano estava o rosto meio azul de um bebê com olhos fechados, ficou claro que ele tinha acabado de nascer não muito tempo atrás.

A névoa sobre o fluxo era como as flores de uma flor, abrindo incontáveis e ​​milhares de pétalas, se reunindo, correndo, espalhando, fazendo um barulho chi chi; em seguida, um dragão de ouro ainda maior do que um palácio lentamente emergiu da névoa e fez o seu caminho para a margem do rio.

O espaço de 5 pés entre as brumas e o rio era muito estreito para o dragão então parte do corpo do dragão dourado estava escondido dentro das brumas, parte de sua cabeça também estava escondida dentro das brumas. Fez o dragão parecer ainda mais majestoso, misterioso, aterrorizante.

O dragão dourado calmamente esperou na beira do rio.

A bacia de madeira flutuando na água, subindo e descendo.

Nesta bacia de madeira insignificante e abandonada, de olhos fechados e rosto azulado, um bebê recém-nascido.

……

……

A névoa gradualmente se dispersou e tudo voltava ao seu estado sereno e tranquilo.

No entanto, esta paz foi apenas temporária… Nas profundezas mais profundas da névoa, todo o caminho até a montanha solitária; tudo de uma vez, havia inúmeros sons tristes, assobiando em pânico e uivando!

Neste mundo aparentemente sem vida, havia, na realidade, muitos pássaros e animais. Em todos os lugares dentro do nevoeiro houve o som de muitas asas batendo. Houve também o som como se um unicórnio estivesse correndo e destruindo incontáveis ​​dezenas de milhares de árvores em sua corrida para escapar; houve até o grito extremamente brilhante de uma Fênix!

Uma corda de fogo divino e intangível surgiu do lado do rio e se espalhou para o horizonte. A grama úmida de repente tornou-se incomparavelmente seca, mesmo as plantas dentro da água, de repente se enrolaram!

O dragão dourado permaneceu inexpressivo, nobre e apático; senhor de tudo debaixo do céu.

Todos os animais no mundo sob as nuvens fugiam, o dragão não prestou atenção neles. Mesmo que a Fênix fugiu, o dragão não prestou atenção nele. O dragão somente olhava para o pequeno riacho, olhando para a bacia de madeira flutuando no fluxo. Da montanha solitária saia dezenas de milhares de pequenos riachos, mas o dragão olhou para somente este fluxo específico. Após 30000 anos, o dragão somente desceu a este mundo para esta criança na bacia de madeira, que poderia mudar o seu olhar?

Uma peça muito fina de seda caiu lentamente. Esta peça de seda era de ouro do lado de fora; no interior era um divino branco puro, parecia que estava emitindo sua própria luz. A frente da peça de seda era muito fina, mas gradualmente crescia mais grossa para o fim, até que cresceu tão grosso como um braço. A superfície da seda foi perfeitamente lisa. Parecia penetrar nas profundezas do abismo nublado, tornando-o ainda mais bonito.

Esta peça de seda parecia ser feita de ouro ou de jade, dando um sentimento muito pesado. Mas, na verdade, foi muito leve, balançando com a brisa do ribeiro, como se estivesse dançando, querendo tocar a bacia de madeira, só para puxar de volta novamente.

Foi à barba do dragão dourado. [1]

Agora, o fogo divino dentro olhos do dragão dourado não estava mais nesse estado eternamente calmo, os olhos tinham ido de apático a ponderar, como se hesitando sobre algo. Os dois bigodes do dragão, como dois dedos suaves, tocou levemente a borda da bacia de madeira flutuante no rio, como se delicadamente o acariciasse, mas na realidade não o tocando em tudo.

Este dragão dourado já tinha vivido incontáveis ​​anos e possuía um conhecimento inimaginável, mas mesmo assim, esta bacia de madeira simples lhe apresentava um problema insolúvel e o humor dentro dos olhos do dragão se tornavam cada vez mais complexos: houve saudade, vigilância, hesitação e, finalmente, relutância, talvez não intencional, talvez intencional. Uma pequena mudança na brisa, à borda da bacia de madeira que deveria ter tocado os bigodes do dragão avançou, até que finalmente, os bigodes eram capazes de tocar na bacia de madeira pela primeira vez, mesmo se encostando à orelha do bebê!

Este leve toque provocou uma violenta reação nos dois fogos divinos dentro dos olhos do dragão dourado que explodiu de repente, se tornando uma miríade de estrelas. Dentro desse oceano de estrelas veio um desejo insensível e ganância indisfarçável!

Este desejo era louvável, ele estava se movendo.

Ele elogiou vida, ele foi movido pela vida.

Era o desejo mais primitivo da vida.

O dragão dourado olhando para a bacia de madeira, abriu a sua boca, a respiração do dragão como o jade sendo solto.

Olhos do bebê ainda estavam fechados; ele simplesmente não sabia o que iria acontecer no momento seguinte.

Uma sombra envolveu o fluxo.

A respiração do dragão cercava a bacia de madeira por todos os lados.

No momento seguinte, a bacia de madeira e o bebê dentro viriam ser a comida do dragão dourado.

Nesse momento.

Uma mão foi colocada na borda da bacia de madeira, puxando-o para fora do rio!

Esta foi uma mão coberto de cicatrizes; fina, fraca e pequena.

Huahua, a superfície calma da água foi quebrada. Esse par de mãos puxou a bacia de madeira e correu para a beira do riacho.

O proprietário da mão era um menino Taoista de três ou quatro anos.

O menino puxou a bacia até a borda do córrego e o escondeu entre uma pedra e seu próprio corpo, em seguida, puxou uma espada do cinto e se virou para olhar para a cabeça terrível, de um enorme dragão dourado.

Este era um menino muito estranho.

Ele era cego de um olho, faltava uma orelha, quando ele estava correndo na água poderia se dizer que suas pernas eram um pouco aleijados. De sua manga vazia, pode-se ver que ele também só tinha uma mão.

Não era de se admirar que ele tivesse que primeiro colocar a bacia por trás das costas, antes que ele fosse capaz de retirar a espada.

Vendo a enorme cabeça do dragão acima da água, o rosto do menino estava pálido. Seus dentes batiam, não por causa da água gelada do rio, mas por causa do medo em seu coração.

Esta foi a sua primeira vez vendo um verdadeiro dragão. Ele nem sabia o que era um dragão; apenas sabia que era aterrorizante. No entanto, ele não fugiu, mas considerou a frágil espada olhando firme e o seguro escondido na bacia atrás dele.

O dragão dourado olhou com indiferença para o garoto, apenas a ser tão forte e poderoso como ele poderia dizer que no fundo do abismo de seus olhos eram raiva e crueldade.

O menino não disse nada, cara pálida, o medo extremo, mas ele não soltou a bacia.

O dragão dourado cresceu mais irritado, a respiração do dragão abrangeu ambos os lados do córrego e a morte estava por vir.

A espada foi deixada na água, o rapaz pegou a bacia e segurou-a contra o peito.

Escamas do dragão dourado esfregavam contra a névoa, trazendo inúmeros fogos divinos, fazendo com que a água dentro do fluxo ferver.

Neste momento, um taoista de meia-idade apareceu na corrente.

O taoista de meia-idade olhou para o dragão dourado com uma expressão calma.

O fogo celestial sobre o córrego foi subitamente extinto.

O dragão dourado olhou para o taoista de meia-idade e falou uma palavra de dragão!

Esta palavra de dragão foi extremamente longa, quase como se continuasse para sempre sem parar, certamente continha um significado extremamente complexo, ouvindo isso era como ouvir uma peça mais complicada de música, mas também era como o som da tempestade mais horrível da natureza, era uma mistura de poder inimaginável!

O taoista de meia-idade olhou para o dragão dourado e falou uma palavra.

Era uma palavra com uma única sílaba, sua pronúncia era extremamente estranha e difícil de entender, não parecia ser uma linguagem humana em tudo, um fragmento parecia conter um significado infinito, repleto de significado antigo.

O dragão dourado compreendeu, mas não concordou.

Em seguida, o nevoeiro sobre o córrego ferozmente se levantou.

Sopro do Dragão foi pulverizado em todos os lugares, a grama e as árvores úmidas de repente se transformaram em uma cena assustadora de fogo.

Esse pequeno garoto taoista, de costas para o rio simplesmente não tinha ideia do que estava acontecendo sua cabeça estava inclinado para baixo de medo, com os olhos fechados, segurando a bacia de madeira com força contra o peito.

……

……

Quem sabe quanto tempo passou e o córrego, finalmente ficou em silêncio.

O pequeno menino taoista reuniu sua coragem e olhou para trás, mas só viu a água clara do riacho. O fogo em ambos os lados do riacho já havia sido extinto, apenas as árvores queimadas e pedras assadas atestavam a batalha terrível que tinha ocorrido.

Do abismo nublado veio um grito de dragão. Esse grito estava cheio de angústia, falta de vontade e arrependimento. O dragão estava dizendo aos cinco continentes do mundo sobre como a sua própria hesitação tinha provocado um tão profundo pesar.

O menino taoista ficou altamente assustado. Com sua uma mão segurando a bacia de madeira, o menino saiu mancando na costa e caminhou para o lado do taoista de meia-idade, timidamente olhando para cima em direção ao abismo nublado.

O taoista de meia-idade estendeu a mão para apagar uma chama no ombro do rapaz.

O menino taoista pensou em algo e com dificuldade levantou a bacia de madeira.

O taoista de meia-idade estendeu a mão para a bacia de madeira e delicadamente pegou a criança; sua mão direita tomou o pano e o envolveu sobre o corpo do bebê. Suas sobrancelhas se vincaram.

“Seu destino… Definitivamente não é bom.” disse ele com piedade enquanto ele olhava para o bebê envolto em tecido.

……

……

No leste do continente oriental, há uma pequena cidade chamada Xining, fora desta cidade há um pequeno riacho, por este pequeno riacho tem uma montanha, nesta montanha existe um templo, neste templo não há monges, apenas um taoista de meia-idade e seus dois discípulos que cultivam o Caminho.

A colina é uma montanha sem nome, o templo é abandonado. Dos dois discípulos, o mais velho é chamado Yu Ren, o mais jovem é chamado Chen Chang Sheng.

Xining estava dentro do país Zhou. 800 anos atrás, a Grande Dinastia Zhou fez o Caminho à religião do estado. Até o presente da era Zhengtong, a religião do estado uniu o país como um todo. Foi, aliás, digno de respeito. Falando razoavelmente, um mestre e seus dois discípulos deveriam ter vivido uma vida de roupas de seda e arroz de jade. Mas Xining era muito remoto; o templo abandonado foi ainda mais remoto e outras pessoas eram raramente vistas de modo que só poderiam viver uma vida muito simples.

Taoistas naturalmente praticam o Caminho. Atualmente, existem inúmeras maneiras de cultivar, mas o método do taoista de meia-idade de ensinar o Caminho em comparação a outras seitas era completamente diferente. Ele não especificou qualquer método de cultivo específico, ele não se importava com a absorção da luz de uma estrela predestinada, nem se preocupava com o refinamento da mente; só enfatizou uma palavra: Memorize.

Desde a sua infância, Yu Ren estava memorizando os textos do Caminho. Chen Chang Sheng, a partir do momento que ele pode abrir os olhos, foi colocado diante dos livros amarelados e antigos. A primeira coisa que ele poderia reconhecer foi uma sala cheia de textos sobre o Caminho. Depois que ele aprendeu a falar, ele aprendeu a reconhecer as letras e então ele aprendeu a memorizar os caracteres nos textos clássicos sobre o Caminho.

Recitando e estudando até ser capaz de memorizar tudo, essa era a vida desses dois discípulos.

Quando eles acordavam de madrugada, eles estariam memorizando livros. Sob o sol escaldante, eles estariam memorizando livros. À noite, eles estariam memorizando livros. Quando a primavera chegava e as flores floresciam, quando o trovão das tempestades de verão, quando o sopro do vento de outono, quando os calafrios da neve do inverno; eles estão na linha de culturas, na beira do rio, debaixo de uma árvore pela flor de ameixa; segurando os clássicos do Caminho em suas mãos, estudando, memorizando, não sabendo que o tempo gradualmente passava.

O templo abandonado tem uma sala completamente cheia de clássicos do Caminho. Quando Yu Ren fez sete anos de idade, ele estava entediado e as contou. Havia 3.000 desses livros. Nestes 3000 livros, um livro pode ter várias centenas de palavras ou talvez vários milhares. O clássico mais curto, o Clássico dos Deuses, tinha apenas 314 palavras. O mais longo foi o Clássico da Longevidade que teve mais de 200000 palavras. Estes livros eram a totalidade que eles tinham de memorizar.

O discípulo mais velho e mais novo incessantemente memorizava, buscando apenas lembrar, não buscando entender. Eles sabiam desde o início que seu mestre nunca iria responder às perguntas que fizeram, só diria: “Basta memorizar e compreensão virá naturalmente.”

Para aquelas crianças que estudavam o Caminho, mas viviam vidas de lazer, este tipo de vida é difícil de imaginar. Felizmente esta montanha verde estava muito fora do caminho e raramente era visitado por pessoas, por isso não havia coisas externas para distrair a mente e conseguiam se concentrar. Temperamentos destes dois discípulos foram excepcionalmente bons. Inesperadamente eles não achavam este estilo de vida ser maçante, só vai de dia para dia memorização, não percebendo que vários anos se passaram.

Um dia, o som de estudo que tinham tido por vários anos, de repente cessou. Duas crianças se sentaram em cima de uma pedra, ombro a ombro, um livro aberto sustentado em seus joelhos. Ambos tomaram um olhar para o livro, então um para o outro, tanto em uma perda para o que fazer.

Eles já haviam memorizado o último livro, mas eles não tinham meios para continuar, porque não conseguiam entender. As palavras neste clássico que eles não estavam familiarizados para ser preciso eram palavras muito estranhas, os radicais e os cursos foram todos reconhecíveis, mas o caractere como um todo foi uma coisa estranha, como estudar? O que isso significa?

As duas crianças voltaram para o templo e encontraram o taoista de meia-idade.

O taoista de meia-idade, disse: “Em todos os 3000 Clássicos do Caminho, vocês leram até o último livro e este livro tem 1601 palavras. Em todo o tempo que o Caminho foi passado para baixo, ninguém foi capaz de compreender completamente o significado dentro deste livro, como vocês dois poderiam?”

Chen Chang Sheng perguntou: “Mestre, mesmo você não conseguiu entender?”

O taoista de meia-idade balançou a cabeça e disse: “Não há nenhuma pessoa que diria o que eles realmente entendem e não entendem, eu também não posso dizer.”

Os dois discípulos entreolharam-se e sentiu algum pesar. Embora eles fossem somente crianças, eles tinham memorizado todos os 3000 clássicos do Caminho, menos um; é claro que não estariam felizes. Claro, eles não eram crianças normais, a partir do momento em que eles estavam na ignorância que tinham acompanhado o outro em estudar os clássicos do caminho, suas personalidades também foram bastante descontraídas, portanto, essas duas pessoas foram preparadas para se virar e ir embora.

Neste momento, o taoista de meia-idade continuou falando: “… Mas eu possa lê-lo.”

A partir daquele dia, o taoista de meia-idade começou a ensinar sobre o método de ler o último clássico do Caminho, um por um, dando a pronúncia dos caracteres. Estas pronúncias foram particularmente monstruosas e estranhas. A sílaba era simplesmente, mas necessitava o uso de alguns determinados músculos da garganta e também tinha alguns requisitos específicos. Em suma, não era o tipo de som que um ser humano normal poderia produzir.

Chen Chang Sheng não entendia nada, ele era como um patinho pequeno, obedientemente copiando a pronúncia de seu mestre. Yu Ren ocasionalmente voltava a pensar há muitos anos naquele lado do riacho, quando o mestre enfrentou essa besta monstruosa e falou essas palavras.

Yu Ren e Chen Chang Sheng passaram um longo tempo segurando a pronúncia dessas 1601 palavras, mas ainda não compreendiam o significado. Ao pedir o taoista de meia-idade, ainda não foi possível obter o significado. Na verdade, eles já tinham passado um ano inteiro sobre este último livro. Depois, eles começaram o seu método usual, segurando o último livro em suas mãos e recitando, até que finalmente eles haviam o memorizado.

Quando eles pensaram que tinham finalmente posto fim à sua vida de memorizar os clássicos do Caminho, o taoista de meia-idade exigiu a eles estudarem os clássicos uma segunda vez. Com pouca escolha, as crianças eram obrigadas a repetir seus estudos. Talvez porque esta fossem a segunda vez estudando os clássicos do caminho, eles sentiram que era ainda mais desgastante, eles ainda sentiam enquanto falavam palavras amargas.

Foi também nessa época que eles começaram a questionar, por que seu mestre quer que eles estudem esses clássicos? Por que não os ensinam a cultivar? Obviamente os clássicos do Caminho foram escritos de como Taoistas devem praticar o Caminho, ele deve estar correto para prosseguir a longevidade.

Quando Yu Ren fez dez anos e Chen Chang Sheng tinha seis anos e meio, no Outono, um Grou branco veio. Ele trouxe consigo um documento de seda. Neste documento estava uma data de nascimento, um documento de casamento e uma carta de algum alto funcionário que o taoista de meia-idade tinha uma vez salvo e quis cumprir uma promessa que tinha feito.

O taoista de meia-idade viu o documento de casamento e riu tanto que não podia falar, e em seguida, olhou para os seus dois discípulos. Yu Ren acenou com a mão e apontou para seu olho cego, sorrindo enquanto ele rejeitava a ideia. Chen Chang Sheng tinha uma expressão frustrada. Ele não entendia o significado, em confusão ele tinha de alguma forma acabado levando o documento casamento e agora descobriu que ele tinha uma noiva.

Mais tarde, a cada Ano Novo, o Grou branco voltaria, trazendo da capital saudações do homem nobre, juntamente com alguns pequenos presentes significativos para Chen Chang Sheng.

Chen Chang Sheng veio lentamente a entender o que o casamento significava. Muitas vezes, durante a noite, sob a luz das estrelas ele olhava para esse documento de casamento posto na gaveta. Ele tinha alguns sentimentos que ele não podia falar. Rumo a sua noiva com idade semelhante, ele não teve alguns felizes sentimentos, somente alguns sentimentos principalmente de frustração e vergonha.

Nesta vida pacífica de estudar, quando Chen Chang Sheng tinha dez anos de idade, veio em acidente infeliz. Em uma noite, ele estava em sua 72º vez em sua memorização das 1601 palavras do último clássico, quando de repente sentiu uma sensação estranha em seu corpo, ele começou a se afastar nesta floresta no monte verde. Seu corpo começou a emitir algum tipo de bom perfume.

Não era o cheiro de uma flor, nem era o cheiro de uma fruta, nem era algum tipo de perfume. Para falar de gosto, enquanto foi soprado pelo vento para uma noite enquanto ele não espalhava. Falar de seu cheiro, ele flutuou na ponta do nariz, levemente perceptível, mas não um cheiro que qualquer coisa no mundo mortal poderia produzir. Incapaz de compreender, mas extremamente sedutor.

O primeiro a perceber a situação de Chen Chang Sheng foi Yu Ren. Quando ele sentiu o cheiro raro, sua expressão tornou-se grave.

Na árvore coberta e remotas partes da montanha verde, havia rugidos de leão e de tigre, não havia grous que dançavam e dragões que voavam, havia os gritos de rãs que originalmente só surgiam no verão. No leste da montanha verde, onde não há pessoas que se atreviam a entrar, a partir do abismo enevoado surgiu uma enorme sombra, que sabia que tipo de criatura que era. Sob o olhar ganancioso e reverente de inúmeras criaturas, Chen Chang Sheng emitia o seu aroma raro, seus olhos fechados no sono, sem saber quando ele acordaria.

Yu Ren no sofá de repente começou a abanar-se. Ele queria abanar o cheiro de Chen Chang Sheng para longe, uma vez que este cheiro estava o deixando salivar e dando-lhe ideias estranhas e terríveis. Ele abanou-se com o leque com esses pensamentos.

Ele não sabia quando que o taoista de meia-idade veio para a sala ao lado ficou ao lado do sofá e viu Chen Chang Sheng que dormia. Ele falou uma frase que só ele conseguia entender: “A razão mais uma vez apareceu.”

A noite passou.

A luz do alvorecer cobriu o monte verde, o cheiro vindo de Chen Chang Sheng desapareceu de repente. Não se podia mais pegar um leve perfume. Chen Chang Sheng voltou ao seu estado normal e a miríade de monstros das colinas verdes e da sombra monstruosa também se despediu.

Yu Ren olhou para o irmão Júnior dormindo e parou em pânico, deixando escapar um longo suspiro. Ele queria limpar o suor frio em sua testa quando percebeu que seu braço, a partir de uma noite inteira abanando, era incapaz de se movimentar.

Chen Chang Sheng abriu os olhos e acordou. Embora ele estivesse dormindo a noite toda, ele sabia que havia algum problema. Ele viu a expressão dolorosa no rosto de seu irmão mais velho e sua pele pálida e perguntou: “Mestre, o que há de errado comigo?”

O taoista de meia-idade olhou para ele e ficou em silêncio por um longo tempo antes de dizer: “Você está doente.”

De acordo com o taoista de meia-idade, a doença de Chen Chang Shen foi devida a uma deficiência congênita. Nove canais do corpo não foram conectados. Aroma da noite passada foi porque a energia espiritual não tinha para onde circular, só poderia emitir para fora. Este perfume trazia consigo a essência de um ser humano, que transportava um aroma único. Este era um tipo de doença estranha.

“Então… Senhor não conhece uma maneira de tratá-la?”

“Não, nenhuma pessoa pode tratá-lo.”

“Uma doença incurável… Isto é apenas o destino, certo?”

“Sim. É apenas o destino.”

……

……

Depois de seu décimo aniversário, o grou branco não veio para as colinas verdes. Lado de a capital cortar informação, como se o assunto do documento do casamento nunca tinha sido levantado antes. Chen Chang Shen ficou ao lado do riacho, olhando para o oeste, começou a recordar esta situação.

Claro, ele estava pensando em um monte de coisas. Sua doença, seu destino… Sua saúde não era pobre, além que ele facilmente adormeceu, ele parecia ser muito saudável. Ele não parecia ser uma pessoa que iria morrer jovem. Ele até começou a duvidar do prognóstico de seu mestre. Mas se o prognóstico de seu mestre estava correto, o que então? Chen Chang Shen resolveu deixar o templo abandonado para ver o mundo secular florescente. Além de sua própria vontade de querer ir ver, ele também queria ver o lendário Mausoléu de livros, e ele também queria devolver o documento de casamento.

“Mestre, eu vou sair.”

“Para onde você está indo?”

“Para a capital.”

“Por quê?”

“Porque eu quero viver.”

“Eu disse antes, sua doença é o destino.”

“Eu quero mudar o meu destino.”

“Nos últimos 800 anos, apenas três pessoas conseguiram mudar o seu destino.”

“Eles eram todas pessoas extraordinárias?”

“Sim.”

“Eu não sou, mas eu gostaria de tentar.”

A capital, que Chen Chang Sheng queria ir, independentemente se ele poderia tratar a sua doença ou não, ele sempre quis ir. Não só porque ele queria mudar o seu destino, mas porque o outro lado do voto de casamento também estava na capital.

Ele arrumou sua bagagem, pegou a pequena espada de Yu Ren e se virou para sair.

Este sacerdote taoista de 14 anos desceu a montanha.

[1] Pesquise no Google imagem “Dragão Dourado Chinês”, em várias imagens você irá reparar o “bigode” dos dragões que por incrível que pareça tem muito estilo.

<-Índice||Próximo Capítulo->