Perfect World Prólogo


<-Índice||Próximo Capítulo->

Prólogo – Região Selvagem

Profundamente na noite, estava escuro como breu em todos os lugares. Nada poderia ser visto, no entanto, não era silencioso nas montanhas. O rugido de bestas ferozes balançavam as montanhas e rios e enquanto inúmeras árvores tremiam, folhas sussurravam e aleatoriamente caiam.

Entre os grupos de montanhas e desfiladeiros infinitos, as bestas ferozes inundavam e corriam nesta região selvagem. Restos antigos apareciam e desapareciam, e vários tipos de sons aterrorizantes subiam e baixavam na escuridão como se eles estivessem tentando separar e abrir o mundo.

Dentro da cordilheira de montanhas, um pedaço de luz suave vagamente apareceu de longe. Ele cintilou como uma vela nas cortinas infinitamente escuras da noite, dentro das dez mil montanhas e parecia que estava prestes a ser extinto a qualquer momento.

Enquanto gradualmente se aproximava, podia-se ver claramente que era uma enorme árvore quase morta. O diâmetro do tronco de árvore era uma dúzia de metros ou mais e foi completamente queimado até ficar negro. Sem ser o principal e meio destruído tronco de árvore, havia apenas um único e fraco ramo sobrando. No entanto, ainda estava emitindo vida e a folha suave e translúcida no ramo parecia que foi esculpida em jade verde e pontos de luz suave se propagavam, envolvendo a aldeia.

Para ser mais preciso, era uma árvore que foi atingida por um raio. Muitos anos atrás, relâmpagos que encheram o céu passaram por aqui e o tronco antigo e enorme da árvore de salgueiro, bem como sua vida próspera foi destruído. Naquele momento, apenas o toco de nove metros de altura foi deixado no chão. Era assustadoramente grosso e esse único ramo de salgueiro era como uma corrente divina enquanto ele lançava um brilho verde. Um anel de luz cobria e vigiava toda a aldeia, causando toda a área residencial estar borrada e obscura. Como se fosse uma terra cheia de fantasmas era extremamente misterioso dentro dessa região selvagem.

Dentro da aldeia, todas as casas eram feitas de pedra. Era tarde da noite, então os aldeões ficaram em silêncio. Nessa área, foi pacífico e tranquilo, como se estivessem separados da escuridão e dos uivos dos animais de fora.

Wu…

Uma rajada de vento soprou e uma enorme nuvem negra voou nos céus. Ela cobria todo o céu negro e enquanto ela obstruía a pouca luz das estrelas, a cordilheira de montanhas se tornou ainda mais escura.

O grito tirânico de um pássaro soou dos céus elevados e penetrou através de metal e rachou pedras. Ele inesperadamente apareceu de dentro da nuvem negra e se alguém olhou com mais cuidado, pode-se ver que era um inconcebivelmente enorme pássaro. Ele cobriu o céu e a lua; ninguém poderia realmente dizer quanto tempo foi.

Ela passou sobre esta vila de pedra e parecia baixo. Seus dois olhos eram como duas luas de sangue e sua atmosfera cruel encheu os céus. Depois de olhar para o velho salgueiro por um tempo, ele decidiu voar em direção à parte mais profunda da cordilheira.

Silêncio se seguiu por um longo período de tempo, continuando até meia-noite. De repente, o chão tremeu e uma sombra clara se aproximou de longe; era tão elevado quanto à cordilheira de montanhas!

Uma aura indescritível estava sendo emanado e o grupo de montanhas e inúmeras ravinas eram tão silenciosos quanto à morte. As aves tirânicas e animais ferozes permaneciam escondidos e eles não se atreviam a fazer um único som.

Ele se aproximou. Era um organismo que tinha a forma de um ser humano. Ele andava ereto e era terrivelmente enorme. Seus ombros eram comparáveis com montanhas e não havia um único fio de cabelo em seu corpo. Escamas de cor dourada cobriam o seu corpo e foram brilhantes e deslumbrantes. Seu rosto era extremamente plano e apenas um par de olhos horizontais repousava sobre ele. Quando eles abriam e fechavam, era como se um raio de cor dourada com listras passava e foi terrivelmente afiado. O sangue e qi em todo o seu corpo era como um oceano, fazendo parecer um diabo divino!

Ele passou por aquela terra e lançou um olhar para aquele velho Salgueiro. Ele parou por um tempo curto, então, como se ele estivesse correndo, ele desapareceu rapidamente para longe. Muitas montanhas e seus picos violentamente tremeram das vibrações de seus passos.

Ao amanhecer, uma centopeia de dez metros de comprimento que era tão grosso quanto um balde apareceu. Estava brilhando com uma luz prateada enquanto ele se mexia e se arrastava dentro das montanhas. Parecia que ele foi escamado com uma cor branca prateada e cada seção única foi brilhante e feroz. Enquanto ele passava sob as rochas da montanha, criou sons de raspagem e causou faíscas voarem. No final, no entanto, ele evitou a vila de pedra e não a invadiu. A área que passou por cima se agitou com névoa negra e todos os tipos de animais ficaram longe.

Um único fraco ramo de salgueiro que emitia um brilho verde brilhante estava levemente balançando ao vento…

<-Índice||Próximo Capítulo->