Conquest Prólogo


<-Índice||Próximo Capítulo->

Prólogo – Shaar Trovão

Pode-se dizer que Shaar Trovão [1] era literalmente um “caipira”.

Ele foi chamado de “caipira”, porque ele nasceu na selva. Mais precisamente, ele era um caipira ignorante nascido na montanha.

Por exemplo, ele odiava ter refeições sem um pouco de carne. Seus talentos mais profundos eram cortando lenha e caça. Até ele completar 16 anos, ele pensou que a mulher mais bonita do mundo era a Tia Sofia. Ela tinha uma cintura tão grossa quanto um barril, era mãe de dois filhos e vendia legumes na cidade.

Seu nome era Shaar Trovão.

Seu nome parecia ter uma origem oriental um tanto misteriosa. Na verdade, quando Shaar Trovão tinha três anos, ele não tinha um nome ainda. Um dia, seu velho bêbado usou seu cérebro por uma vez e finalmente se lembrou de que era responsabilidade do pai encontrar um nome. Ele olhou para o céu e viu que estava trovejando naquele dia de verão. Isso é como Shaar Trovão tem o seu nome…

Assim, você pode imaginar o quão irresponsável que o seu velho era. Foi uma sorte que estava trovejando. Imagine se fosse uma tempestade de areia ou uma nevasca… Talvez ele fosse se chamar agora Shaar Tempestade de Areia ou Nevasca. Com este tipo de nome ele teria que rastejar em uma caverna e viver em vergonha para o resto de sua vida.

Gosto vulgar de Shaar Trovão foi constantemente refletido por suas ações. Ele preferia a compra de pano sobre a seda porque era mais durável – é claro, uma razão muito importante para sua escolha foi que Shaar Trovão era tão pobre como um mendigo e nunca poderia pagar seda. Sua mentalidade foi que se você não poderia se dar ao luxo de comer uvas, então era demasiado azedo para você de qualquer maneira.

A razão mais importante do por que ele era tão pobre, foi que a maioria dos seus rendimentos veio da caça. Alguns dos seus rendimentos foram usados para comida, mas a maior parte dela foi usada para comprar licor para o seu velho. Esse velho era o pai de Shaar Trovão. Quando tinha cerca de oito anos de idade, Shaar Trovão descobriu que este homem velho não era o seu pai biológico. Mesmo se uma criança de oito anos de idades não era muito inteligente, ele pelo menos tinha algum senso comum. Em outras palavras, ele sabia que era absolutamente impossível para um homem velho com os olhos azuis dar à luz a um filho com olhos negros.

Portanto, quando ele tinha oito anos de idade, ele se recusou a chamar esse velho de “pai” nunca mais.

Quando perguntou sobre o nascimento de Shaar Trovão, o velho nunca foi específico. Em suas próprias palavras: “Muitos anos atrás, houve um mês atormentado pelas noites escuras e tormentosas. Sentei-me perto de uma fogueira para assar um delicioso faisão. Por um breve momento eu virei às costas e caminhei até uma árvore grande para fazer xixi e quando voltei, vi um menino que se encontrava ao lado da minha fogueira mastigando uma perna do faisão assado com apenas metade restando. Quando eu vi um menino tão pequeno abraçando e comendo metade de uma perna de faisão, você sabe qual foi a primeira coisa que veio à minha mente?”

Toda vez que o velho chegava a este ponto da história, ele balançava a cabeça e dava uma olhada sombria a Shaar Trovão: “O que eu pensei foi… Este pequeno garoto podia comer tanto enquanto ele era tão pequeno e quando ele crescesse, ele certamente comeria este pobre velho!”

Ao mencionar sobre o velho que era um velho bêbado, deve ser mencionado que Shaar Trovão também era alcoólatra. A razão para isto foi quando Shaar Trovão ainda era jovem e chorava bem alto com fome e o velho sem-vergonha era preguiçoso demais para caçar, ele iria tirar algum licor e alimentá-lo para a criança, em vez de alimentos. Mesmo antes do tempo para o garoto parar de beber leite, esse velho bêbado começou a desenvolver ele em um alcoólatra. Sua educação estranha aumentou a tolerância ao álcool desse garoto a um nível assustador. Na idade de 13, o velho já não podia manter ele. Dois anos atrás, porque esta família pobre não podia suportar dois bêbados ao mesmo tempo, o velho descaradamente proibiu Shaar Trovão de beber álcool.

Tinha que ser mencionada mais uma vez que uma das habilidades mais orgulhosas de Shaar Trovão era de cortar lenha.

Mas esta foi também uma razão importante do por que ele odiava o seu velho.

A razão era o seguinte, o velho continuava a se gabar que ele era um dos mais fortes do continente e um mestre da espada famoso. No entanto Shaar Trovão nunca viu o seu velho usar uma espada. Em questão de fato, sua família não têm sequer uma espada. A coisa mais próxima que se assemelhava a uma espada em sua casa era um forcado negro e carbonizado.

Quando o menino cresceu um pouco mais velho, ele ficou interessado em armas e nas artes marciais. Constantemente ouvindo o velho a se gabar, Shaar Trovão expressou um forte desejo de aprender artes marciais dele. No início, o velho homem agiu com arrogância e se recusou. Incapaz de suportar a constante importunação de Shaar Trovão, ele finalmente admitiu e o período de dez anos dolorosos para Shaar começou.

Se ele só estivesse transportando barris de água, o sofrimento físico ainda seria aceitável. Além disso, ele teve que suportar um banho de medicina com mau cheiro todos os dias, cujo cheiro poderia nocautear qualquer pessoa só pelo cheiro dela, mas Shaar Trovão suportou tudo.

O que ele mais odiava era que o velho homem que se chamava mestre da espada, na verdade, não estava disposto a ensiná-lo a usar uma espada!

Uma vez, um menestrel que viajou o mundo visitou a taverna na cidade. Ele contou as histórias dos lendários guerreiros do continente. Naquela época, o jovem Shaar Trovão estava ouvindo e encontrou grande alegria ao imaginar as histórias desses guerreiros arrogantes e nobres vestindo mantos brancos de neve, com armadura completa, com longas espadas afiadas na mão e cercados por aliados e inimigos… Ah… Tão maldito incrível!

Por razões desconhecidas, o velho homem alegou que, para se tornar um mestre da espada, Shaar Trovão só poderia usar um machado como arma!

Não entenda mal. Não era o tipo de machado ou alabarda que os lendários mestres usavam.

Era o tipo de machado que você poderia comprar no ferreiro da cidade por seis moedas de cobre e que os aldeões usavam para cortar madeira nas montanhas. As pessoas também o chamavam de um machado de lenha.

Quanto à forma de praticar e obter técnicas de machado, Shaar Trovão era ignorante. O velho homem disse uma vez que o caminho que ele ensinou a Shaar Trovão estava em questão de fato sendo um retorno às raízes e a natureza original. As pessoas normalmente usavam o machado com precisão e força, no entanto o velho disse a Shaar Trovão: “Assim que você poder descrever sua técnica de machado como “hábil”, então você atingiu o seu objetivo.”

Shaar Trovão sabia o que um ataque preciso e forte significava. Quando ele tinha 13 anos, ele poderia jogar seu machado e cortar a cauda de um coelho correndo a 50 passos de distância.

No final, como praticar uma técnica que foi considerada como “hábil” era uma questão de opiniões diferentes. De acordo com o velho, ele teve que usar um machado de dez quilos e esculpir um pedaço de tofu em um crisântemo – que era obviamente, algo muito difícil de fazer para as pessoas normais.

Em uma questão de fato, Shaar Trovão sempre ficou desconfiado sobre as técnicas de machado que o velho lhe ensinou. Todo o conteúdo dos exercícios de suas artes marciais em todos os dias foi: cortar lenha, cortar tofu, além da limpeza dos intestinos de suas presas, dividindo sua carne e cortando seus ossos.

Embora ele tivesse algumas dúvidas em seu coração, Shaar Trovão praticou este conjunto de técnicas de “machado” por uma década. Ele praticava com muito afinco, mas o velho nunca lhe deu qualquer avaliação. No máximo, o velho iria segurar a garrafa de licor e agachar ao lado enquanto bebia. Seu olhar nunca mostrou qualquer apreciação nem descontentamento e seus olhos eram sempre nebulosos.

Até um ano atrás, pouco antes de o velho morrer de saúde ruim, ele foi finalmente disposto a abrir a boca e avaliou as artes marciais atual do filho adotado. Quando ele deu a sua avaliação na época, Shaar Trovão pensou por três dias e ainda não conseguiu descobrir o seu significado. Ele não sabia se o velho estava elogiando-o ou se ele mudou de atitude e estava sem rodeios a amaldiçoá-lo – na verdade ele suspeitava o segundo palpite. Quando o velho finalmente ficou doente e ficou acamado, ele queria continuar a beber. Shaar Trovão, no entanto recusou o seu pedido ao considerar sua saúde – também porque sua família era tão pobre que eles tinham apenas o suficiente para comer.

Isso provavelmente chamou a raiva do velho para cima dele.

Ah, antes de morrer, disse o velho.

Naquela época, ele deu um olhar complexo para o seu filho adotivo e suspirou:

“Ele estava fazendo você praticar criativamente a minha técnica “Abate do Exército de Mil Homens” para isto continuar – Eu o proíbo de tocar o machado novamente depois que eu morrer. Qualquer outra coisa, espadas, lanças, maças. Eu não me importo, mas você não pode usar o machado ou eu vou me virar em minha sepultura.”

[1] Em inglês está Shaar Thunder e eu sei que em uma boa tradução não se traduz um nome, mas você deve se lembrar que o gringo traduz do chinês, então se fosse uma obra em inglês originalmente seria outra história…

<-Índice||Próximo Capítulo->